30.9.11

poucos e bons.

A melhor parte de ser adulta é sem dúvida, escolher os meus amigos, não me sentir forçada a que toda a gente da turma goste de mim e de falar com toda a gente, ficar desolada quando não me convidam para coisas, entre outras pancas minhas que me estragaram a adolescência. Não estou fechada numa escola pequena numa terra pequena com gente de mentes pequenas, encontrei pessoas interessantes de todos os cantos de Portugal (e quiçá mundo, obrigada internet), não me limito a idades ou profissões ou localidade. Já não me sinto culpada de falar mal de certas pessoas, de ter critérios extremamente altos para as pessoas com quem me dou. E, apesar de o número de amigos ter decaído exponencialmente, a qualidade subiu. E já não me sinto tão sozinha.
O que não é um paradoxo.

28.9.11

Doppelgängers

É uma diz que sou parecida com a tia dela. É outra que diz que sou parecida com uma professora da faculdade. E depois este vem e diz que viu outra minha dupla num autocarro.

Faz-me lembrar o meu primeiro ano de faculdade, em que na Queima das Fitas um gajo estava convencido que eu era a Alexandra que ele comeu nas jornadas da juventude em Sagres.

22.9.11

21.9.11

o caso troy davis

Uma das coisas que não consigo perceber na maneira de pensar da legislação dos Estados Unidos da América é no facto que a vida de um polícia, mesmo fora de serviço, é mais valiosa do que outra pessoa de outra profissão. Outra dessas coisas é um tribunal poder decidir que uma pessoa deve ser condenada à morte, brincar ao faz-de-conta-que-é-Deus.

20.9.11

de pequenino é que se torce o pepe jeans

Se fosse mãe, ficaria bastante revoltada se a turma do meu filho fosse em visita de estudo a um centro comercial, como vi hoje no Porto. Meninos de mão dada dois-a-dois, excepto o eterno renegado da turma que vai sempre com a professora, que tem pena dele. Qual é a utilidade de uma visita assim? Cultural? Aprendizagem?  Ver que os ovos vêm das galinhas e não da fábrica dos ovos? Não.
"Olhem meninos, um dia vão trabalhar muito para comprarem todas estas coisinhas fúteis e adquirirem uma coisa imaginária chamada estatuto social que não vos vai preencher nem fazer mais felizes. E já agora, vamos todos comer no McDonald's para vocês começaram a identificar a comida como recompensa e não como uma necessidade do vosso corpo, e depois as meninas podem olhar para as manequins das lojas e ver porque é que vão ignorar essas necessidades para o resto das suas vidas. Não fomos a um parque porque a terra tem micróbios e vocês ainda se sujam na relva, e não fomos a um museu porque é uma seca e além disso tem esculturas de homens com a pilinha à mostra."

17.9.11

só para ficar esclarecido, tá

Jack Black e Maryam Hassan em Escola de Rock (2003)   
Sim, é uma merda que ao fim de 20 e poucos anos o meu metabolismo tenha parado num apeadeiro, mas sabes que mais? Foda-se.

8.9.11

mau jornalismo

Estado vai deixar de comparticipar pílulas e três vacinas vendidas nas farmácias (publico.pt)

Utentes condenam corte na comparticipação de pílulas e vacinas (expresso.pt)

"Distribuição continuará a ser gratuita nos centros de saúde." Ou seja, quem precisar da pílula saberá onde a ir buscar - e a rapariga de 15 anos que tem vergonha que saibam que toma a pílula até nem vai à farmácia da aldeia, pois não? Deixem-se de alarmismos, não leiam só as letras gordas.

Estou mais preocupada com os broncodilatores para doesntes asmáticos ou com DPOC, que as bombas já eram tão caras... E sendo que estas doenças têm tendência para as crianças (no primeiro caso) e os idosos (no segundo), estou a ver a coisa a ficar negra.